• João Batista Oliveira

Redescobrindo as funções da escola



O fechamento das escolas devido à pandemia de coronavírus coloca na mesa várias questões importantes sobre a natureza e função da escola. Vamos dar início hoje a uma série de posts sobre as virtudes do modelo escolar e os desafios para incorporá-las a estratégias de ensino híbrido ou ensino a distância.

O primeiro conjunto de perguntas se refere à aprendizagem: os alunos vão perder? Vão parar de aprender? Como fica o prejuízo? E a equidade?

O segundo conjunto refere-se às outras funções sociais, seja para acolher as crianças enquanto os pais trabalham, seja para assegurar uma estrutura e um contexto para o amadurecimento psicossocial das crianças e dos jovens.


Neste post, apresento uma reflexão de caráter mais geral. Nos próximos, elaboro um pouco mais sobre essas duas questões e, no final, trato das implicações das tecnologias no ensino.

Comecemos do começo: em todo o mundo, os pensadores e educadores se preocupam com o impacto da interrupção prolongada das aulas. Grande parte da preocupação é focada na questão da equidade. Em um país como o Brasil, as escolas privadas seguem em frente, e as públicas vão do cumprimento total do calendário ao total fechamento. Em outros países como, por exemplo, os Estados Unidos, praticamente todas as escolas públicas continuaram o ano letivo, mas há enorme diferença entre o que é oferecido por diferentes sistemas e redes públicas de ensino, como também há enormes diferenças entre as condições dos alunos.

As evidências parecem sólidas: o principal problema não é a perda e sim o que se deixa de aprender. O outro problema é o aumento das diferenças – os mais ricos terão mais oportunidade de continuar aprendendo, e isso tenderá a aumentar ainda mais as diferenças.

Aqui também as evidências indicam que, no curto prazo, até uns dois anos, essas diferenças voltam ao que eram. Em geral, as perdas não são irrecuperáveis. Alarmante é pensamos que (a) o nível de desempenho do 'velho normal' era muito baixo e (b) as diferenças eram muito elevadas. Portanto, pensar sobre o 'novo normal' deve partir de uma reflexão sobre o 'velho normal'. Será que vamos conseguir sacudir a marca registrada de nossa sociedade, que são as desigualdades?

Mas também há riscos na área comportamental, como os decorrentes do estresse, que afeta as pessoas de modo diferente. Além das variáveis individuais, as pessoas diretamente afetadas pela pandemia estarão mais vulneráveis. Pode haver casos graves – a estimativa de especialistas em saúde mental vai de 10% a 15%, com base em outras situações similares. Esses são casos que necessitam de tratamento especializado, mas a maioria é curável ou controlável.

Há riscos também relacionados aos aspectos da escola que não vêm sendo devidamente cuidados e valorizados: sua função de ajudar a estruturar a vida das pessoas – os alunos e suas famílias. Isso vai da estruturação dos horários e rotinas à estruturação de condições que promovem importantes habilidades não cognitivas.

Vamos dar continuidade a esse assunto nos próximos posts.


(Artigo originalmente publicado no blog Educação em Evidência.)


* * *


João Batista Oliveira é psicólogo e Ph.D. em Educação pela Florida State University (1973). Pós-doutorado e Visiting Scholar da Graduate School of Business, Stanford University (1977-1978). Professor universitário no Brasil (UFMG, COPPEAD/UFRJ) e na França (Université de Bourgogne, Dijon). Em 2016, recebeu o Prêmio Darcy Ribeiro da Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados. Publicou dezenas de artigos científicos em revistas nacionais e internacionais, bem como livros técnicos e outros voltados para políticas públicas. Foi diretor do Ipea e secretário executivo do MEC. Trabalhou como funcionário do Banco Mundial, em Washington, e da Organização Internacional do Trabalho, em Genebra. Em 2006, criou o Instituto Alfa e Beto, que se dedica a promover o conceito de educação baseada em evidências e tem foco em intervenções voltadas para a educação infantil e séries iniciais do ensino fundamental, com ênfase na alfabetização e na leitura.


O artigo acima é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a visão do Educa 2022.

Receba nossas atualizações

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco
  • Branca Ícone Instagram

© 2020 por Educa 2022. Os textos do portal Educa 2022 podem ser reproduzidos, desde que citada a fonte "Educa 2022".