• Agência Câmara de Notícias

Queda de ministro repercute na Câmara


Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

A demissão do recém-nomeado ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli, foi tema de diversos pronunciamentos na sessão virtual do plenário da Câmara dos Deputados na terça-feira (30). Decotelli deixou o governo antes mesmo de ser empossado, após várias divergências no seu currículo.


Para o deputado Jorge Solla (PT-BA), o caso Decotelli é mais um tropeço da gestão Bolsonaro na educação. “Depois da tragédia de Ricardo Vélez, depois do absurdo da gestão do Abraham Weintraub, que saiu fugido do Brasil, agora colocam um ministro que parece que vai ser sem nunca ter sido e não será”, disse.


A líder do PCdoB, deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC), também criticou o episódio. “Decotelli saiu antes mesmo de ser empossado. Foi ministro sem ter sido. Foi doutor sem ter sido. Foi pós-graduando sem ter sido”, criticou ela.


Fundeb


A maior preocupação entre os parlamentares que comentaram a demissão do ministro recai sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), que perderá a validade em dezembro de 2020.


Os deputados cobraram a votação da proposta que torna o Fundeb permanente e aumenta os repasses do governo federal para a educação (PEC 15/2015).


Para a deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), a queda de mais um ministro torna incerto o rumo da educação brasileira. “É algo que nos deixa perplexos. Queremos saber como resolveremos o problema do Fundeb, o pós-pandemia”, afirmou Alice.


A deputada professora Rosa Neide (PT-MT) ressaltou a urgência de garantir verbas para o setor. “Pensávamos que receberíamos um ministro que voltaria os olhos para o financiamento da educação básica no Brasil", disse Rosa Neide. "Mais de 66% dos recursos que temos para investir estão organizados nos 27 fundos do país, aí chega um ministro que conta mentiras até sobre a sua formação.”


Para o deputado Paulo Fernando dos Santos, o Paulão (PT-AL), o fim do Fundeb pode representar R$ 150 bilhões a menos para as escolas públicas. “Se o novo Fundeb não for aprovado, será a destruição das escolas públicas e das carreiras dos trabalhadores e trabalhadoras da educação”, disse Paulão.

A educação passa por aqui.

Educa 2022

Professor que escreve uma fórmula em um

Receba nossas atualizações

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco

© 2020 por Educa 2022. Os textos do portal Educa 2022 podem ser reproduzidos, desde que citada a fonte "Educa 2022".