• Secom UnB

UnB: Noam Chomsky é Doutor Honoris Causa


O linguista Noam Chomsky (no alto, à direita) na abertura da 20ª Semana Universitária. Foto: Reprodução/UnBTV

A Universidade de Brasília (UnB) contou com a presença de um dos mais importantes intelectuais vivos, o linguista norte-americano Noam Chomsky, na abertura da sua 20ª Semana Universitária, na última segunda-feira (21). O professor aposentado recebeu o título de Doutor Honoris Causa da Universidade de Brasília. Em formato virtual por conta da pandemia de covid-19, a transmissão do evento já conta com 27 mil visualizações e pode ser assistida com o áudio original, em inglês, ou com tradução para o português no canal da UnBTV no YouTube.

Honrado com o título, Noam Chomsky citou em especial o Departamento de Linguística da UnB em seu discurso. “Tive a oportunidade de visitar a UnB a convite de minha amiga Lúcia Lobato e proferir algumas palestras que mudaram minha carreira. As palestras revisaram o meu trabalho, mas eu especulei sobre o que havia no horizonte do estudo da linguagem e da mente”, disse.

Ele contou que os estudos feitos a partir dessas especulações geraram avanços a partir de contribuições suas e de outros pesquisadores em todo o mundo. Para Chomsky, o Brasil tem recursos para liderar o caminho em estudos na área. “Com um incomparável número de povos indígenas, cada um com sua contribuição de variedade linguística e riqueza cultural”, explicou. “Infelizmente, gravemente ameaçados e mesmo com risco de sobrevivência.”

Para o ativista, o atual momento é perigoso para o mundo científico. Forte crítico do capitalismo, Chomsky ligou a origem de vários problemas à influência do neoliberalismo de Ronald Reagan e Margaret Tatcher, com decisões importantes sendo transferidas do governo para o setor privado, que não presta contas à sociedade.

“A maior parte da população sobrevive de pagamento em pagamento, sem reservas. A raiva e o desprezo às instituições pela maior parte do mundo – reações compreensíveis – oferecem espaço para demagogos que dizem que são salvadores e depois nos apunhalam pelas costas. Eles culpam bodes expiatórios por essas condições, como os negros, os imigrantes ou a China, enquanto protegem forças poderosas que, na verdade, são responsáveis, e a quem os demagogos servem”, critica Chomsky. “Não é difícil encontrar exemplos.” 

Sob o modelo neoliberal, ideias humanistas e de liberais clássicos e seus herdeiros, como Paulo Freire, acabam sendo abandonadas. O linguista citou Darcy Ribeiro e Anísio Teixeira, fundadores da Universidade de Brasília, como visionários que têm seus ideais suprimidos hoje.

“Não precisamos assassinar Sócrates, basta eliminar o departamento de filosofia. Eles querem tornar instituições educacionais de primeira classe em empreendimentos comerciais de terceira classe”, disse ele. “Estamos no meio de uma pandemia evitável. Pode ser contida, como foi demonstrado por países onde o governo se preocupa com os cidadãos.”


Chomsky terminou com a mensagem de que cabe a nós decidir qual será o novo mundo que vai emergir depois da pandemia.

Legado


Noam Chomsky fundou o campo da linguística moderna com a publicação, em 1959, de uma resenha do livro O Comportamento Verbal, do psicólogo B. F. Skinner. “O jovem cientista, desafiando o mainstream da linguística estruturalista, propôs uma agenda de pesquisa baseada no pressuposto de que a habilidade de gerar sentenças da língua era determinada por um componente inato da mente, a faculdade de linguagem”, conta a professora Heloísa Salles, do Instituto de Letras.

A agenda de pesquisa da linguística gerativa reuniu pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês), a universidade de Chomsky, e de outros centros de pesquisa em todo mundo, incluindo a Universidade de Brasília, sob a liderança de Lúcia Lobato. Noam Chomsky chegou a visitar a UnB há quase 24 anos, em 1996, quando proferiu duas palestras a convite de Lúcia. Posteriormente, o conteúdo dessas palestras foi publicado pela Editora UnB na obra Linguagem e Mente.

Homenagem


A professora Rozana Naves, que integra o grupo de pesquisa em linguística gerativa da UnB, conta que a proposta de outorga de título surgiu no Instituto de Letras como forma de celebrar o marco de cem trabalhos defendidos sob o arcabouço teórico da gramática gerativa. “Hoje somos seis docentes neste grupo e compomos uma rede mundial de pesquisadores que se dedicam de forma colaborativa à compreensão dos fenômenos linguísticos nessa perspectiva”, diz ela.

Professor de linguística, o vice-reitor da UnB, Enrique Huelva, manifestou sua alegria de começar a Semana Universitária com a presença de Chomsky. “Uma pessoa que mudou nossa forma de pensar, não apenas em nossa área, mas grandes áreas científicas como filosofia da linguagem e ciências cognitivas”, exaltou Huelva.

Honrada com a presença de Noam Chomsky no rol de doutores Honoris Causa da UnB, a reitora Márcia Abrahão falou sobre sua importância para a humanidade: “Nosso convidado não se limitou ao estudo da sua área de atuação. Ele compreendeu desde o início de sua carreira que os intelectuais precisam sair de suas bolhas para espalhar o conhecimento.”

Receba nossas atualizações

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco
  • Branca Ícone Instagram

© 2020 por Educa 2022. Os textos do portal Educa 2022 podem ser reproduzidos, desde que citada a fonte "Educa 2022".