• Demétrio Weber

Flavio Comim e o novo livro de Piketty



Ao ler Capital e ideologia, mais recente livro do economista francês Thomas Piketty, o também economista e professor universitário Flavio Comim logo percebeu a necessidade de que seu conteúdo chegasse a um número maior de pessoas. Lançada em setembro na Europa, a obra ainda não está disponível em português. No Brasil, a editora Intrínseca anuncia a versão traduzida para 17 de julho.

Comim, premiado economista brasileiro, é professor da Universidade Ramon Llull, em Barcelona, na Espanha, e professor afiliado em desenvolvimento humano e ecossistemas na Universidade de Cambridge, no Reino Unido. Tão logo terminou a leitura de Capital e ideologia, ele deu início à série de artigos, compartilhada em suas redes sociais, para apresentar o livro ao público leigo. São sete textos sobre algumas das principais questões levantadas por Piketty.

"Fiz essa série porque o livro do Piketty é longo, caro e pensei que muita gente poderia se beneficiar de uma leitura para entender o que ele está dizendo", diz Comim.

Quem encarar a nova obra de Piketty, autor que ganhou fama mundial em 2013, com O capital no século XXI, terá em mãos um calhamaço de 1.056 páginas. O livro retoma o problema da desigualdade, maior desafio das democracias contemporâneas, e recua na história para explicar como as ideologias são capazes de justificar tamanha iniquidade na distribuição da riqueza.

A educação aparece como fator capaz de gerar desigualdades, em vez de suprimi-las, enquanto a noção de meritocracia serviria para justificar desigualdades, culpando as próprias vítimas pelo suposto fracasso. Comim faz referência à primeira frase do livro − 'cada sociedade humana deve justificar suas desigualdades' − para resumir o propósito da obra: "Seu ponto principal é obviamente como justificamos as desigualdades do nosso tempo", conclui o economista brasileiro.

Formação


Graduado em economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com mestrado na Universidade de São Paulo (USP), Comim é mestre e doutor em economia pela Universidade de Cambridge, onde fez pós-doutorado e onde também atua como pesquisador do Von Hugel Institute. Sua carreira acadêmica inclui ainda um pós-doutorado na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos.

Comim já coordenou, no Brasil e no Panamá, a elaboração do Relatório de Desenvolvimento Humano do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) − aquele que calcula o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) dos países. Foi também consultor de diferentes agências das Nações Unidas: UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), PNUMA (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente), OIT (Organização Internacional do Trabalho) e FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura).

As pesquisas do professor brasileiro tratam de temas como economia do desenvolvimento, abordagem de capacidade, desenvolvimento humano, educação, pobreza e aporofobia (aversão aos pobres).

O artigos de Comim serão publicados no Educa 2022 a partir de hoje.

Receba nossas atualizações

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco

© 2020 por Educa 2022. Os textos do portal Educa 2022 podem ser reproduzidos, desde que citada a fonte "Educa 2022".