• Agência Senado

Ensino on-line requer banda larga universal



A pandemia expôs a urgência de que se tire do papel a meta do Plano Nacional de Educação (PNE) que prevê universalizar o acesso à internet em banda larga de alta velocidade. Foi o que afirmou o conselheiro do Tribunal de Contas do Rio Grande do Sul (TCE-RS) Cezar Miola, ao participar de audiência da comissão mista do Congresso Nacional que acompanha as políticas de enfrentamento da covid-19, na última quinta-feira (9).

"Quando se diz que mais de dois terços das famílias brasileiras têm acesso à internet, isso não é exatamente verdadeiro. Muitas estão conectadas com programas básicos, para atividades muito simples, mas que não permitem, por exemplo, acesso a vídeos, a aulas e a todas essas atividades", disse Miola.


O conselheiro destacou a diferença entre real acesso à internet e conexões precárias: "É preciso ferramenta tecnológica, é preciso acesso às redes e, portanto, investimentos nessa área. Talvez deva ser a grande diretriz a ser concretizada daqui para a frente: oferecer os mecanismos para que as atividades remotas possam ser efetivamente viabilizadas, com aquisição de equipamentos e acesso à rede. Acesso de verdade e não apenas conexão", disse Miola.

Mais recursos

O secretário de Educação de Sergipe, Josué Modesto, representou o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed). Ele lamentou os impactos orçamentários da pandemia. E apontou a necessidade de mais receitas para o ensino, sem vinculação com a arrecadação, que está em queda.

"Foi feito um levantamento em todas as nossas redes estaduais de educação. Estimou-se que, para este ano, nós teríamos uma queda de arrecadação de R$ 28 bilhões. E, quanto às despesas novas, nós as estimamos em R$ 2 bilhões", disse Modesto.

Segundo ele, a compra de produtos de limpeza, álcool e o fracionamento de turmas previstas nos protocolos de saúde, além das exigências tecnológicas para as aulas não presenciais, têm impacto no orçamento dos estados. Ele alertou para o risco de colapso da educação, caso novos recursos não sejam liberados.

"Neste momento, as nossas secretarias estão estimando os custos envolvidos com a implantação do ensino híbrido. O fato é que teremos custos adicionais com esse ensino híbrido, combinação de ensino remoto e ensino presencial, em novo formato, com as precauções exigidas. Nós precisamos de auxílios para a manutenção das atividades, para que elas não entrem em colapso", afirmou Modesto.

Receba nossas atualizações

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco
  • Branca Ícone Instagram

© 2020 por Educa 2022. Os textos do portal Educa 2022 podem ser reproduzidos, desde que citada a fonte "Educa 2022".