• Demétrio Weber

Despreparo e aula na tela


A tecnologia permite estarmos juntos, mesmo a distância. É um junto diferente, que navega pelas ondas do wi-fi, pelo cabo da fibra ótica, pelo sinal do satélite. De uma hora para outra, quando o novo coronavírus provocou o fechamento das escolas, o jeito foi correr para o computador, para o celular e improvisar aulas virtuais. Para quem tinha acesso à internet, o ensino on-line foi a saída.

A nova rotina logo jogou luz sobre a inexperiência e o despreparo das nossas redes de ensino para oferecer educação a distância. Apesar do esforço de muitos gestores, professores, alunos e de seus pais ou responsáveis, o caminho é longo. Sem falar nos milhões de excluídos digitais, para quem os ambientes virtuais de aprendizagem são inacessíveis.

Como tudo na pandemia, o desafio não é só brasileiro: mais de 190 países fecharam escolas e 1,5 bilhão de alunos ficaram na dependência do ensino remoto. Cada um na sua casa e, nas turmas de ensino on-line, todos conectados por fios, telas, teclados, mouses, microfones, câmeras, fones-de-ouvido e alto-falantes.

Inexperiência


Uma recente pesquisa do Instituto Península mostrou o que a maioria dos pais já percebeu: 88% dos professores disseram que nunca tinham lecionado virtualmente antes da covid-19. Praticamente nove em cada dez. O levantamento ouviu 7.734 professores da educação básica em todo o Brasil, a maior parte de escolas públicas, entre 13 de abril e 14 de maio. Portanto, já depois da suspensão das aulas presenciais.

Outro dado preocupante é que 83% dos docentes afirmaram sentir-se nada ou pouco preparados para o ensino remoto. Impressiona também que mais da metade deles (55%) tenha dito que não recebeu suporte nem capacitação para ensinar fora do ambiente escolar. Isso em pleno isolamento social, com o ensino on-line já em andamento. Por outro lado, três em cada quatro professores (75%) declararam que gostariam de receber apoio e qualificação.

Dica


Especialistas recomendam que as escolas não tentem transpor, para o ambiente virtual, as mesmas práticas pedagógicas das aulas presenciais. No ensino mediado por tecnologia, professores e alunos não estão no mesmo lugar ao mesmo tempo. E isso faz toda a diferença.

Vale para a própria comunicação: antes de dar bom dia à turma, convém verificar se os alunos estão conectados e em condições de ouvir. O inverso é igualmente verdadeiro: cada estudante deve ter a segurança de que sua voz e suas mensagens chegarão à tela do professor. Aí, sim, a aula pode começar.

Artigo originalmente publicado na Canguru News, em 28 de maio de 2020.

Receba nossas atualizações

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco
  • Branca Ícone Instagram

© 2020 por Educa 2022. Os textos do portal Educa 2022 podem ser reproduzidos, desde que citada a fonte "Educa 2022".