• Paulo Pinheiro

Como não sofrer ao fechar o semestre

Atualizado: 15 de dez. de 2021


Foto: Andy Beales / Unsplash

Para muitos professores, o final do semestre já chegou ou está próximo − ou pelo menos estaria, se você não tivesse pela frente uma enorme pilha de exames e trabalhos para corrigir. A temporada de avaliação pode ser árdua. Mas será que é possível tornar esse processo menos doloroso? Por isso, essa é a melhor hora para compartilhar algumas dicas e reflexões sobre o assunto.

Reserve tempo suficiente


Não adie a hora de começar a corrigir as avaliações até que seja absolutamente necessário fazê-lo. Em vez disso, planeje horas suficientes para realizar a tarefa em partes menores. Lembre-se de que nem todas as tarefas precisam ser avaliadas de uma só vez e, de fato, avaliar dessa forma pode causar cansaço, falta de foco e inconsistência na avaliação.


Estabeleça uma meta para você


Por exemplo, diga: “Esta manhã, darei nota a 10 trabalhos”. Em seguida, dê a si mesmo permissão para fazer outra coisa quando terminar − seja pesquisar, ler ou dar um passeio. À tarde, retome sua avaliação e analise mais 10 trabalhos. Pode levar algumas horas extras para dar notas dessa forma, mas, no final, você se sentirá menos cansado e frustrado e o resultado será mais consistente.


Depois de avaliar um determinado número de artigos, revise sua rubrica ou lista de verificação para garantir que está avaliando de forma consistente. Se você estiver trabalhando com professores assistentes ou estagiários, recomende que eles façam o mesmo.


Cronometre o seu tempo


Tente limitar o tempo que você gasta avaliando cada tarefa (por exemplo, quero dar a nota de 20 provas de múltipla escolha em uma hora, em média). Se você ficar intrigado com um artigo ou com uma resposta em particular, deixe-a de lado. Feche todas as demais notas. Depois retorne para o problema, nesse ponto o seu senso de valor sobre o trabalho de todos os alunos está totalmente desenvolvido. Então é mais fácil dar essa nota que ficou pendente.


Se a tarefa tiver várias partes, classifique cada parte separadamente. Por exemplo, se uma tarefa consistir em três problemas, dê nota ao primeiro problema para toda a classe antes de prosseguir para a classificação do segundo problema. Isso o ajudará a avaliar de forma consistente e eficiente.


Avalie com colegas


Além de ser mais divertido do que avaliar sozinho, avaliar com seus colegas fornece um ótimo recurso para quaisquer questões de avaliação. Os pares podem ajudar com verificações de consistência, especialmente para grandes ensaios. Troque alguns papéis em cada faixa de pontuação com seus colegas. Faça uma avaliação independente e depois compare as pontuações obtidas com as do seu colega. Se for o caso, tome medidas corretivas.


Só comece a corrigir quando estiver no seu melhor momento


Eu devo neste momento confessar que no começo da carreira de professor costumava avaliar até altas horas da madrugada. Só parava quando me sentia muito cansado. O problema é que, ao acordar, acabava precisando reler tudo e rever as provas. O meu medo era ter errado em alguma correção. Hoje eu dou notas quando estou mais acordado e alerta, e, claro, levo muito menos tempo.


Outra dica simples é colocar as provas em ordem alfabética antes de começar a corrigir. Dessa forma, a inserção das notas no sistema online se torna muito mais rápida.


Use as ferramentas que funcionam melhor para você


Talvez seja algo banal, porém, não se deve descartar essa questão. Por exemplo, alguns professores têm a sua caneta preferida. Para quem corrige um número elevado de provas impressas é um detalhe realmente importante. Eu mesmo tenho uma caneta favorita, justamente por não sentir a minha mão cansada.


Contudo, uma das questões mais importantes é: após o período de avaliações no final do semestre, pare alguns momentos para pensar sobre como você pode tornar todo o processo de avaliação mais fácil para você na próxima vez. Existem algumas pequenas ações que podem fazer toda a diferença e tornar a próxima temporada de notas menos árdua.


Projete seu próximo semestre com uma avaliação mais eficiente em mente


Pense (mais) cuidadosamente sobre o que você está tentando avaliar. Pergunte a si mesmo se certos elementos do assunto, como o simples reconhecimento de termos ou expressões, seriam mais adequados para questões de múltipla escolha. Isso permitiria uma avaliação automática, liberando seu foco para uma avaliação de pensamento crítico mais envolvente.


Dê aos alunos mais responsabilidade. Use a revisão por pares, permitindo que os alunos troquem tarefas e deem feedback uns aos outros. Ou até mesmo avaliação por pares. Certifique-se de fornecer antes uma rubrica detalhada.


Aproveite seu Sistema de Gerenciamento de Aprendizagem


Muitos Sistemas de Gerenciamento de Aprendizagem possuem ferramentas avançadas de avaliação. Pergunte ao seu departamento de TI sobre esses recursos, que podem incluir o seguinte:


· Avaliação automatizada para questões de múltipla escolha.

· Rubricas integradas para fornecer feedback em tempo real.

· Ferramentas que permitem avaliar várias respostas de uma vez.

· Opções de voz ou vídeo para avaliar uma tarefa com um aluno em tempo real.


Aliás, é importante considerar alternativas para as tradicionais redações, como exames orais. Administrados corretamente, os exames orais não ocupam mais tempo do que a correção das redações.


* * *


Paulo Pinheiro é doutor em comunicação social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) e instrutor do método do caso, com formação na Universidade Harvard, nos Estados Unidos. Professor há mais de 15 anos, lecionou na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM Sul) e na Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc). Sua tese de doutorado trata de algoritmos e comunicação. Como jornalista, trabalhou no ZH Digital, embrião do atual clicRBS; coordenou o setor de comunicação do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers); e foi editor de capa do portal ClicRBS e do portal Terra. É graduado em jornalismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e bacharel em direito pela PUC-RS.


O artigo acima é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a visão do Educa 2022.