• Demétrio Weber

Avançar sem destruir, diz Claudia Costin

Atualizado: Mai 2



Em sua coluna de ontem (30/4) no jornal Folha de S.Paulo, sempre uma bússola para se entender o que se passa na educação, a ex-secretária muncipal de Educação do Rio e atual diretora do Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais da FGV, Claudia Costin, resumiu a ópera: "(...) o progresso em educação envolve migrar de problemas mais simples para os mais complexos."


Claudia se referia ao acesso à escola (nunca é demais lembrar que o ensino médio, no Brasil, ainda não foi universalizado), seguido do desafio da aprendizagem. Sim, é preciso matricular crianças e adolescentes. Todos. Mas não basta. O fim maior é a aprendizagem.


Um dos dados destacados por Claudia é que o Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, principal indicador de qualidade da educação brasileira) cresce entre alunos dos anos iniciais do ensino fundamental desde a criação desse índice. Ou seja, as crianças passaram a aprender mais. E as últimas edições do Ideb mostraram que a onda chegou aos anos finais do fundamental.


Em 2019, até mesmo o ensino médio avançou no Ideb, o que é uma excelente notícia (ainda que o nível de aprendizagem continuasse baixo). Aí veio a pandemia e o que se viu foi um enorme retrocesso, retratado agora na pesquisa do Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação (Caed) da Universidade Federal de Juiz de Fora, que avaliou uma amostra de estudantes da rede estadual paulista.


O mais preocupante é que o prejuízo de aprendizagem durante a pandemia, conforme a pesquisa do Caed/UFJF, é maior entre as crianças nos anos iniciais do ensino fundamental.


"Nesse sentido, ganha relevância o tema selecionado pela Unesco para o Dia Internacional da Educação de 2021: 'Recuperar e revitalizar a educação para a geração da Covid-19', escreve Claudia. "E é isso que precisamos fazer, com urgência, no Brasil, para avançar mais rapidamente e não destruir o que já logramos fazer, embora a um ritmo ainda lento demais."


O que fazer para evitar que o efeito pandemia vire uma bola de neve?